BrasilFamososNotícias

Rodrigo Faro é citado em jornal italiano por corrupção para obter cidadania

O jornal italiano ‘RaiNews’ citou o apresentador e ator Rodrigo Faro por participar de uma rede de corrupção e falsificação de documentos para obter cidadania italiana de forma ilícita.

Nas redes sociais, o apresentador afirmou que foi vítima e acionou seus advogados.

Além do ator, sua esposa, Vera Viel, o jogador Bruno Duarte e empresários brasileiros foram citados pelo veículo italiano. Segundo a matéria, dois cidadãos brasileiros, policiais, autoridades e funcionários municipais estiveram envolvidos.

Uma operação denominada ‘Carioca’ deflagrada pela Polícia Metropolitana de Nápoles, na madrugada desta segunda-feira (27), combateu “uma vasta rede de corrupção” e prendeu seis pessoas no município de Villaricca, na região de Campania, na Itália, afirmou a reportagem.

Durante a operação, foram ordenadas duas medidas de prisão preventiva contra indivíduos proprietários de empresas que desempenhavam funções de intermediação. Dentre essas funções estava a execução de pedidos destinados à obtenção de residência e à concessão da cidadania italiana.

Rodrigo Faro se manifestou em suas redes sociais e afirmou que “foi pego de surpresa com o suposto envolvimento deles num esquema de corrupção para obtenção de cidadania e passaporte italiano”.

Segundo o apresentador, ele e sua esposa foram vítimas do escritório e de sua equipe, “uma vez que contrataram o serviço de uma empresa supostamente legal, idônea e que seguia com os procedimentos de acordo com as leis italianas”.

Em nota, o ator afirmou que o processo [de obtenção de passaporte italiano] foi aprovado e os documentos foram emitidos. Faro acionou seus advogados no Brasil para que “os devidos responsáveis por esse suposto esquema de corrupção sejam devidamente punidos”.

Segundo o jornal italiano ‘RaiNews’, a operação que teria supostamente a participação do apresentador Rodrigo Faro foi coordenada pelo Ministério Público de Nápoles Norte.

Segundo a investigação, que durou cerca de um ano, os crimes envolviam associação criminosa, falsificação de documentos públicos e corrupção, no município de Villaricca, região Sul da Itália.

Da CNN

Deixe seu comentário